Para execução do PRAD Carapá Vivo e parceiros preparam diagnóstico da realidade do rio Carapá

 Um Grupo formado por  membros da Associação Ambiental da Bacia Hidrográfica do Rio Carapá(Carapá Vivo), Secretaria Municipal de Agricultura (Depto de Meio Ambiente), e Universidade do Estado do Mato Grosso (UNEMAT/Campus Colider), visando o cumprimento do PRAD (Plano de Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas) da Bacia do Rio Carapá, que consiste na criação de  estratégias e técnicas a serem executadas com o objetivo de restaurar ecologicamente áreas degradadas e ou danificadas da referida bacia, vem desde o dia 11 de junho de 2021 se reunindo na construção de um Diagnóstico da realidade das micro bacias, a partir  da Captação de água. Ação essa que por meio de mapeamento da área com uso do satélite CBERS 4A, foram identificadas 57 nascentes, das quais apenas 05 estão preservadas, necessitando as demais de um urgente trabalho de restauração.

A partir da apresentação de um diagnósticos das áreas de Apps, preservadas e degradadas, feito pelo membro da Carapá Vivo, Rinaldo Padilha, passa-se então, para o levantamento dos CARs(Cadastro Ambientais Rurais) das propriedades para a elaboração de  projeto individuais de cada propriedade  onde há  abrangência das nascentes, cujos proprietários serão  visitados in loco pela equipe do “Diagnóstico Carapá”,  buscando junto a eles traçar estratégias de recuperação das nascentes

         “É com muita alegria que vejo essa ação Diagnóstico das micro bacias do alto  Carapá  com a participação de importantes parceiros como Unemat Colider através do professor e doutor Marcelo Leandro Holzschuh,  Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, por meio da Bióloga Drª Norma Aparecida de Oliveira Nobre e do Engenheiro Florestal Paulo Roberto Nicácio, bem como do árduo trabalho que vem sendo desenvolvido pela equipe técnica da Carapá Vivo, composta por: Rinaldo Padilha (Doutorando em Física Ambiental e experiência com pesquisas na área de Geografia, com ênfase em Geografia Física, Geomorfologia Fluvial, Climatologia Urbana e Geoprocessamento); Paulo Gomes (Gestor e Perito Ambiental); Heverton Tiburski (Pós graduado em Ciências Biológicas e Gestão Ambiental) e outros membros da nossa Ong,  pessoas qualificadas e verdadeiramente comprometidas com as causas ambientais do nosso município, mais precisamente com a restauração e preservação do rio Carapá. Executar o PRAD é devolver vida às nascentes, ao rio Carapá e seus afluentes”, salientou o presidente Carapá Vivo, Eliel Mota.

Participaram até então das reuniões de Diagnóstico: Marcelo Leandro Holzschuh,  Heverton Tiburski, Norma Aparecida de Oliveira Nobre, Paulo Gomes, Paulo Nicácio, Rinaldo Marques Padilha, Patrícia Paro e Edilza Karo Mendureeku.

DLuz / Da Assessoria Carapá Vivo